27
Feb
2017
6

5 dificuldades na vida de um imigrante

Sempre na roda de amigos vem à tona um assunto que acaba de certa forma incomodando todo mundo: às grandes dificuldades na vida de um imigrante! Claro que sempre, de uma forma ou de outra acaba virando piada, porém, toda piada sempre tem um fundo de verdade, não é mesmo?! O fato é que nem tudo são flores na terra do Trudeau, e não é raridade encontrar brasileiros que estão extremamente frustrados com a vida aqui. Basta dar uma olhada nos grupos do Facebook para achar um monte de pessoas amargas respondendo de forma muito mal educada as perguntas de pessoas que tem o sonho de vir para cá, você vai conseguir percebero quanto de gente está bem infeliz com a vida aqui. Claro que isso não é um parâmetro, porém, serve como exemplo.



Vejo muitas pessoas idealizando a vida no exterior como um conto de fadas, que tudo aqui será mais fácil, que a vida segue às mil maravilhas, e algumas pessoas pensam que o Brasil está tão ruim que qualquer lugar no mundo será um paraíso na terra. Eu sei que o Brasil tem vários problemas, mas será que mudar de país não será somente mudar de problema? Ou seja, você acaba com o problema de segurança…ok legal! Mas você já parou para pensar que tipo de dificuldades irá encontrar por aqui?! O meu intuito não é desanimar ninguém, claro que todos tem o direito de buscar a felicidade aonde quiser, mas é que ultimamente sejo tanta gente sem um pingo de planejamento querendo vir, e ou chegando aqui que eu fico bem assustada com isso. Depois que me mudei para Toronto, e comecei a trabalhar diretamente com estudantes e imigração, eu me espantei com o tanto de gente que chega aqui com um visto de turista, vem com a família inteira, vendem tudo o que tem no Brasil e acham que estão imigrando. Sendo que a permanência no país com visto de turista é de apenas 6 meses, e muita gente acha que em 6 meses irão arrumar emprego e se legalizar…e ai acabam ficando ilegal. E é de se surpreender o número de jovens que se formaram no Brasil, tinham um emprego razoavelmente bom para seus 20 e poucos anos e vem para cá para ficar ilegal e trabalhar na construção civil e ou de cleaner. Gente eu não estou jugando, mas que expectativa essas pessoas tem? Muitos estão abandonando uma carreira promissora no Brasil para se tornarem cleaners aqui, e não é difícil encontrar jovens que estão aqui há 5 – 6 anos trabalhando dessa forma, e detalhe sem aprender inglês. Mas enfim, isso pode ser assunto para um outro post e voltando ao assunto e deixando a indignação de lado, vamos aos problemas que nós imigrantes/expatriados enfrentamos por aqui no Canada:

1.Downgrade na carreira

Esses dias atrás estava conversando com uma conhecida sobre o processo de imigração que ela está tentando aplicar, é um processo  provincial. A grande questão disso tudo era: ela tinha uma experiência fantástica no Brasil, de bons cargos, e bons salários. Porém, salário que ela está ganhando aqui não se enquadra no requerimento do programa de imigração, o cargo sim, está ok para o programa,  porém o salário que é para um cargo de coordenadora não. Sendo este muito abaixo da média salarial canadense para aquela profissão. E apesar de o cargo atender os requerimentos do programa de imigração, (detalhe é que o cargo é abaixo do cargo que ela tinha no Brasil) o fato de o salário abaixo da média nacional, a torna inelegível para o processo. Mas o fato é que, em muitos casos um imigrante é mão de obra barata, e as empresas acabam se aproveitando da nossa necessidade de trabalhar, então, para muita gente o downgrade na carreira é inevitável! Prepare-se para baixar alguns níveis ou muitos, eu diria, prepara-se para começar do zero. Muitas empresas irão te exigir a experiência canadense, ou seja, uma referência profissional de algum empregador no Canadá, mesmo você tendo uma experiência profissional muito boa no Brasil. Então, por conta disso, muita gente acaba trabalhando de graça por algum tempo, apostando em uma futura contratação, ou caso não sejam contratado, trabalham somente pela referência profissional. Eu mesmo trabalhei por 8 meses em uma fundação na área administrativa.

2.Voltar para escola

Muita gente já está vindo para cá para fazer college ou faculdade apostando na imigração no futuro, ou seja, já estão voltando a estudar. Porém, vocês já consideraram que talvez seja preciso gastar mais dinheiro em cursos de inglês, ou mesmo em um outro curso após formado? Muitas profissões são regulamentadas e outras exigem certificados específicos para que se possa atuar na área. Por exemplo: eu me formei aqui, mas depois que comecei a trabalhar com estudantes internacionais decidi iniciar uma nova carreira como consultora de imigração, e para isso tive que voltar para a escola e estudar por mais um tempo. Outro exemplo: você irá aplicar para um processo de imigração no futuro, e pode ser que você ou a sua (eu) companheira (o) não tenha o inglês suficiente para o processo, pode ser que seja necessário investir em um curso de inglês e ou preparatório para IELTS. O fato é: nós imigrantes temos que de certa forma ser melhores que os canadenses para conseguirmos o mesmo emprego e consequentemente para isso acontecer voltar para escola acaba sendo inevitável: seja para cursos de inglês, mestrado e ou qualificação específica.

3. Idioma

O idioma é algo que sempre pega! E a não ser que você tenha estudado em uma escola bilíngue ou faça inglês desde que nasceu no Brasil, você irá se pegar em vários momentos e situações em que o inglês será um problema. Seja em  entrevistas de emprego, ou quando precisar defender um projeto na sua empresa, defender o seu ponto de vista..etc..etc… Tem sempre aquele ponto em que você se vê com algumas dificuldades que não teria na sua língua nativa, e algumas delas se tornam frustantes nos primeiros meses ou primeiros anos aqui. E quando mais exigente e alto-crítico você for pior, mais você irá se frustrar no começo. Aprender o idioma fluentemente é um processo que leva tempo e investimento, me arrepio quando vejo pessoas que em poucos meses aqui já se acham fluentes sem nunca terem estudado no Brasil antes. Mas isso vai depender do que a pessoa entende como fluente!?! Para mim ser fluente é: falar naturalmente como um canadense, com todas as gírias, expressões, defender seu ponto de vista e argumentar sem ter que pensar, ter uma ótima pronúncia..etc..etc. Mas pode ser que para alguns ser fluente signifique se comunicar apenas.

4. Adequar ao seu novo orçamento

Parece besteira citar isso aqui, mas já vi bastante gente que voltou porque não conseguiu se adequar ao novo orçamento. Muita gente vem com o dinheiro contado do Brasil, e quando chega aqui não consegue emprego tão rápido quanto o planejado. E para piorar, acaba perdendo o controle nos primeiros meses, resultado: o dinheiro acaba antes do esperado. Os primeiros meses, e eu diria o primeiro ano aqui é bem difícil, isso porque o seu primeiro emprego muito provavelmente não será o emprego dos seus sonhos, e você pode não receber o salário dos seu sonhos, e o pior: o salário que você irá receber pode não ser suficiente para pagar as suas contas no final do mês. E você ainda tem que contar com algumas coisas fora do scopo como por exemplo: ter que fazer mais aulas de inglês do que esperava, gastar mais do que esperava com daycare caso você tenha filhos, gastos com documentação e burocracia de vistos..etc.  Algumas pessoas quando chegam aqui, se esquecem de um detalhe muito grande: estão gastando em dólar o que foi acumulado em real. No início é difícil entrar na cabeça que não está mais se ganhando dinheiro, ainda mais se você estava acostumado com o seu salário todo mês na conta. Ai muitos chegam alugam um apartamento mega legal, vão na Ikea e mobíliam a casa toda, e se deslumbram com os novos restaurantes, as novas lojas o quanto as coisas “parecem” ser mais barato do que no Brasil, principalmente as roupas de marca. E quando vê em 3 ou 4 meses o dinheiro já foi quase todo. E ai muitos estão estudando e tem que pagar o próximo semestre na faculdade, o emprego part-time não cobre as despesas fixas,  emprego full time do companheiro (a) também só paga o aluguel, ou somente um está trabalhando, porque o salário do outro não paga nem o daycare do filho…e por ai vai.

Recomendo a leitura de alguns posts sobre custos:

http://outsidebrazil.com/2015/12/06/o-custo-de-se-manter-legal-no-canada/

http://outsidebrazil.com/2015/07/14/custo-de-vida-em-vancouver-casal-com-filhos/

5. Downgrade no padrão de vida

Complementando o item número 4, eu enfatizo: prepara-se por um downgrade no padrão de vida. Eu sempre digo para as pessoas que: vindo para o Canadá se ganha muito em qualidade de vida porém se perde um pouco em padrão de vida, no começo. Mas o que se entende por padrão de vida? Eu diria que para nós brasileiros que estamos super acostumados com status e pagar barato por serviços, e aqui não tem nem uma coisa e nem outra, será um super downgrade no padrão de vida. Outro dia uma conhecida estava reclamando de que estava tendo que cozinhar/comer em casa pelo menos duas vezes na semana, pois almoçar e jantar fora todos os dias estava saindo muito caro…what? (No eu caso é: cozinhar todos os dias e jantar fora uma ou duas vezes NO MÊS…e já tá um perrenge…kkkk) Ou pessoas perguntando aonde encontrar manicure, baba, e faxineira, encanador, mecânico..etc.. BARATO? Então minha gente, aqui não é Brasil, sabe! Serviços aqui custam o justo, ou seja, o suficiente para que a pessoa que esteja prestando o serviço possa viver decentemente como você. E portanto, para algumas pessoas ter que fazer a própria unha, limpar o próprio banheiro e ter que comer em casa mesmo não sabendo cozinhar pode ser um downgrade e tanto no padrão de vida. Pense, você tem dois carros no Brasil, casa própria em um bom bairro, salário e emprego bons, férias remuneradas..etc..etc..ai chega aqui você não terá isso tudo logo de início, isso dá uma certa desestabilizada nas pessoas.

http://outsidebrazil.com/2015/06/09/imigrar-muito-alem-de-mudar-de-pais/

Ai muita gente vai dizer, mas mesmo assim ir para o Canadá é melhor do que ficar aqui no Brazil com toda essa violência, toda essa corrupção e blá,blá,blá… E eu respondo, sim pode ser melhor para alguns, tudo irá depender do quanto você está disposto a arriscar e do quanto você tem para arriscar. Muita gente não tem nada à perder e para essas pessoas não faz diferença vir para cá. Porém, muita gente já está com uma vida consolidada no Brasil é para essas pessoas que eu escrevi esse texto. Eu estou me baseando em experiências de pessoas que eu conheço aqui, em experiência de pessoas que voltaram por alguns dos motivos acima, ou de pessoas que estão aqui e estão super frustradas por passar 5 ou 10  anos e ainda não terem conseguido o que tinham planejado, e olha que eu conheço muita gente e vejo de tudo um pouco. Então o meu intuito não é fazer você desistir dos seus sonhos, mas sim fazer você refletir sobre o quanto está disposto a comprometer nesse sonho, o quanto está disposto a recuar para conseguir avançar, entende?! E o mais importante de tudo, fazer com que você se planeje para os itens que destaquei acima. Muitas das pessoas que eu conheci e que voltaram para o Brasil, não voltaram por causa de visto, voltaram porque se cansaram de não ter o mesmo padrão de vida, ou a mesma carreira que tinham no Brasil, e ou principalmente por não terem mais dinheiro para seguir em frente. E eu nem estou relacionando aqui, saudades da família, choque cultural, adaptação ao frio etc…etc…Pense nisso!

Siga o Outside Brazil clique nos links abaixo:

https://www.facebook.com/outsidebrazil
https://twitter.com/OutsideBrazilBl
https://www.instagram.com/carinabarros_outsidebrazil/

TransferWise a maneira mais simples e barata de transferência internacional!

8 Responses

  1. Daniele Borges

    Oiii, estou começando a acompanhar seu blog agora, e amei a matéria. Eu e meu marido estamos nos preparando para ir para o Canada daqui 2 anos e meio, e já esta dando um friozinho na barriga kkkk

    1. Oi Daniela, muito obrigada pelo seu comentário!!!
      Desejo que dê tudo certo para vocês e a minha dica é: planejamento é tudo!! Mas eu sei o quanto é difícil controlar a ansiedade..hehehe

      Se tiverem alguma dúvida pode me perguntar, ok.

      Abs
      Carina

  2. dalvabathista@hotmail.com

    Oi minha querida tive o prazer de trabalhar com você aqui no Brasil e nada vem realmente de mao beijada, adorei a forma que esta passando esta informação, e ótimas dicas, caso algum dia queira tentar em outro país vou saber pelo menos por onde começar! Abraços

    1. Oi Dalva, tudo bem com você????
      Ah querida, eu quem tive o prazer de trabalhar com vc!!! Muito feliz com o seu comentário…se precisar de alguma informação e ou ajuda me avise!
      Beijão
      Caria

  3. Mari Spil

    Olá Carina!
    Como sempre, uma ótima colocação. Mudar de país não é simplesmente pegar uma mala com algumas roupas e tchau fui, principalmente quando envolve família. Eu penso nisso todos os dias.
    A respeito de padrão de vida, acho que não teria problemas: por um lado, nunca tive muitas posses, não tenho carro, moro em apto alugado, nunca tive empregada e quando faço as unhas, é em casa. Talvez possa pagar para fazer, mas por que iria pagar por um serviço que eu sei fazer? Por isso acho que não teria problemas com adaptação nessa área. Por outro lado penso: todo mundo diz que o padrão de vida tende a cair, então misericórdia! Se aqui não tenho nada, será que lá vou acabar dormindo na rua??? (tá frio demais, não dá certo não!).
    Quanto ao downgrade na carreira, vixi… já fiz isso antes, não é novidade. Foram várias as ocasiões em que mudei de rumo. Rs. Não acho que tenha problemas. Nem quanto ao inglês, que é bem razoável.
    Estou lutando para ir enquanto a minha filha é pequena, porque apesar do custo com daycare, acredito que a adaptação dela seja mais fácil agora do que depois. Ela tem 3 anos.
    A luta mesmo é juntar dinheiro para ir! Rsrs…
    Bom, escrevi um pouco dos meus pensamentos e avaliações cotidianos. Estou sempre por aqui lendo, e justamente gosto muito de blogueiros e youtubers que falam da realidade, sem pintar um mar de rosas mas também sem tentar desencorajar ninguém. Claro que, cada experiência é uma, e não se trata somente da experiência que a pessoa está tendo no Canadá, mas de todo o background que ela teve até chegar ao Canadá.
    Obrigada por compartilhar com a gente!
    Grande abraço!

    1. Eu sempre escrevo sobre esse assunto, porque recebe muitas perguntas e as pessoas acham que é assim super fácil!!! hehehe
      A questão do padrão de vida e de carreira, eu sei que cada imgrante tem a sua realidade, porém eu quiz direcionar bem para quem está em um patamar de vida mais estabelecido no Brasil. Eu tinha 7 anos de experiência em banco, e tinha um cargo que considerava muito bom, eu entendo que levei 7 anos para chegar nesse cargo e que aqui eu tive que começar so zero, mas tem gente que já acha que irá vir para cá e conseguir o mesmo cargo que tinha no Brasil, e ou acham que o downgrade na carreira será pequeno, por exemplo de gerente para um analista senior…o que não é nem de longe a realidade. Outra coisa, padrão de vida, nós estamos acostumadas a cuidar de tudo, porém, tem gente que chega aqui e não sabe..juro, não sabe como limpar uma casa, não sabem como cozinhar ..etc. Pq sempre tiveram isso de mão beijada, já vi casos de uma pessoa que não sabia como cuidar da filha, porque sempre teve baba…juro! Eu sempre acho que o melhor perfil de imigrante é o que consegue se adaptar a qualquer situação, e quem não teve muitos luxos, e sempre pegaram no pesado acabam tendo melhor adaptação, do que as pessoas que sempre tveram tudo de mão beijada.

      abs

  4. Priscilla Santos

    Oi Carina,

    Bem bacana o seu ponto de vista, acho que você relatou a realidade, muitos Brasileiros acham que imigrar vai ser as mil maravilhas, mas nao fazem planejamento nenhum, e arriscam a sorte.

    Eu e o meu marido temos muita vontade de imigrar, nos dois já estudamos inglês em Vancouver, ele ficou um ano, e eu três meses em épocas diferentes. Amamos o estilo de vida na natureza, e Vancouver e o Canada em geral oferece muitas opções de lazer, muitos parques, montanhas, praias etc.

    Ele é agrônomo e tem uma carreira muito boa aqui, com ótimo salário, mas moramos numa cidade pequena no interior do paraná, longe de praia, longe de nossas familias tb, não temos nada pra fazer além de trabalhar, chega a ser bem frustante.
    Eu sou formada em secretariado executivo bilingue, ja trabalhei em algumas multinacionais, mas agora estou em casa cuidando da minha baby.
    Acho que com a experiencia dele e o conhecimento na língua inglesa, temos muitas chances de conseguir imigrar, ainda não apliquei porque penso muito na nossa familia, por mais que hoje estamos morando em cidades diferentes, a gente viaja umas 6 horas e consegue visita-los a cada 3 meses pelo menos.
    Mas estamos vivendo uma vida sem sentindo, só de trabalho e sem aproveitar nada.
    Estou pensando seriamente em aplicar para o Express Entry, agora tenho que ver se teriamos coragem de ir embora.

    1. Olá Priscilla, obrigada pelo seu comentário!!!
      Vancouver é uma cidade mega especial, jamais irei esquecer e se puder um dia volto para lá!!! hehehe

      Para o EE o inglês realmente é um grande diferencial, e soma muitos pontos no processo. Eu entendo a sua frustração, a minha vida em São Paulo também se resumia a trabalhar e trabalhar, e a minha família estava no interior. Aqui nós encontramos uma qualidade de vida muito boa, mas a saudades da família aperta e muito.
      Se precisar de ajuda com o seu processo de imigração para o EE eu trabalho em uma empresa de imigração, estamos à disposição caso precise.
      Desejo que tudo dê certo para vocês, eu sei que dá muito medo, mas como vocês tem uma bebê, talvez pensando no futuro dela, vocês acabem criando mais coragem de arriscar a vida aqui.

      Abraços,
      Carina

Seja bem vindo e muito obrigada por seguir o OutsideBrazil!

%d bloggers like this: